Há espaço de sobra para você empreender no setor. Mas isso não é a mesma coisa que dizer: “vai lá, é fácil”

 

Daniel Teixeira/Estadão

O comércio eletrônico no País apresenta muitas oportunidades para o empreendedor, que com esforço pode lucrar e principalmente tornar-se relevante nesse segmento.

Essa foi a principal conclusão da 6ª edição do Encontro PME, que reuniu na primeira semana de setembro, em São Paulo, empresários de sucesso e especialistas na área para debater os caminhos possíveis para aqueles que estão começando nesse mercado. O setor, atualmente, chama muito a atenção de quem pensa em iniciar um pequeno negócio e isso está longe de ser uma mera coincidência.

Pesquisa recente realizada pela E-bit, especializada em coletar informações do ramo, aponta que o e-commerce movimentou R$ 12,74 bilhões nos seis primeiros meses do ano, alta de 24% em comparação com o mesmo período do ano passado. Mas essa performance, no entanto, não deve esconder os desafios do segmento. Se a tecnologia ficou mais acessível, a logística ainda preocupa.

Se esse fosse o único desafio a ser encarado por quem pensa em empreender na área, a questão seria fácil de ser resolvida. Mas não é. Hoje o empresário precisa, mais do que nunca, oferecer uma experiência positiva de compra para o usuário. O consumidor, segundo análises de especialistas, leva isso muito em conta – a obsessão por preço baixo e frete grátis, dessa forma, ficou um pouco de lado.

Um pouco, não totalmente. Vai fazer sucesso quem souber ‘empacotar’ tudo isso em um mesmo e-commerce. E também vai ganhar espaço quem escolher o mercado certo. A mesma pesquisa da E-bit identifica que, pela primeira vez, a categoria de moda e acessórios atingiu a liderança no ranking de vendas online – foi responsável por 13,7% dos pedidos no primeiro semestre. Fica a dica.

:::1. Prepara-se para os dispositivos móveis:::
De acordo com Adam Burgh, da Baby, quem quiser criar uma empresa precisa pensar nos dispositivos móveis. “Nos Estados Unidos, toda empresa nova tem que ter uma estratégia em mobile.” Isso não quer dizer que é preciso investir imediatamente, mas não se pode ignorar o fenômeno.

:::2. Garanta o ‘feijão com arroz’:::
Para quem quer começar, Rogerio Salume, da Wine, indica o ‘feijão com arroz’, mas sem uma fórmula pronta. “O que existe é um estudo de mercado e a paixão por aquilo que você vai fazer”, diz. Para quem já está no setor, a dica é usar as informações sobre seu cliente e transformá-las em resultados.

:::3. Saiba atrair os investidores:::
Jonathan Assayag, da Lema21, alerta que os investidores não são iguais. Eles podem ser parentes, amigos, investidores-anjo e até investidores profissionais. Por isso, cada um tem uma expectativa diferente de retorno. “Avalie com quem você está fazendo a parceria.”

:::4. Renove seu plano de negócios:::
Para convencer o investidor, Pedro Guasti, do Buscapé, aconselha a produção de um plano de negócios. É importante se mostrar conhecedor do mercado em que você vai empreender e estar preparado para responder todas as perguntas de um futuro sócio.

:::5. Compra o prazo de entrega:::
Durante o processo de compra online, cumpra o que foi prometido ao cliente. “O consumidor não quer receber o produto amanhã. Ele quer receber o que foi combinado. O combinado não sai caro”, analisa Gerson Rolim, diretor da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico.

:::6. Invista na equipe:::
Para Marcos Simões, diretor da Endeavor, uma boa ideia é importante, mas é apenas o primeiro passo. O que vai torná-la relevante é a execução. E o investidor vai olhar o time que está por trás do seu negócio. Por isso, para ter um bom resultado, nada melhor do que trocar informações – isso faz parte do jogo.

:::7. Escolha um sócio talentoso:::
Boas contratações significam investimento alto e nem sempre o empresário tem dinheiro. Uma recomendação de Flávio Jansen, da Locaweb, é tentar atrair pessoas com talentos complementares para uma sociedade. “Faça ele acreditar no mesmo sonho que você”, disse.

:::8. Fique atento aos grandes:::
Diante das novas gerações, que sempre compraram pela internet, Sandra Vaz, da SAP, recomenda para o empreendedor começar pequeno, mas pensar grande. E estudar o que as grandes empresas estão fazendo para tirar algum exemplo que possa ser aplicado no seu negócio.

:::9. Nunca se esqueça do cliente:::
A dica do criador da PetLove, Marcio Waldman, é criar um e-commerce focado no consumidor. “Sem isso, nenhum esforço dá resultado”, disse. Ele completa a lista de recomendações para o futuro empresário: investir em tecnologia, marketing e ter um serviço de logística excelente.

:::10. Seja reativo e pró-ativo:::
Para um dos fundadores da Dafiti, Thibaud Lecuyer, o empreendedor precisa ter poder de analisar de maneira rápida para reagir na mesma velocidade. Agilidade e flexibilidade foram pontos importantes para a empresa criada por Thibaud Lecuyer e esses dois pontos continuam sendo grandes desafios.

Info grafico e-commerce

Clique para ver maior

Fonte: Estadão PME